Reconheci teu rosto num sábado à tarde
Com sabor de saudade
De alguém que mal conhecia
Mas de tudo sabia
Seria possível
Correria o risco
De uma garoa, chuvisco
Tornar tempestade?


Reconheci teu rosto numa sexta à noite
Tempo nos faltou
Do teu olhar instigante
Assunto interessante
Bebida que acompanhava
Em outra noite calma
Serei sua confidente
uma e mais outra vez
Até surgir um talvez



Reconheci tu todos os dias que veio
Todos os dias que partiu
Todas vezes que dormiu
E me viu
Reconheci
E tão pouco sei sobre isso
Por fim sempre me arrisco
Dou um suspiro
Corro perigo


Reconheci a ti antes de conhecer
Talvez em mim
Me vi ti
Ou pedaço de mim
Refletido ai
Em ti fiz morada



Reconheci teus olhos em minha casa
Abracei tu alma
Beijei teu amor
E de ti fiz caminho
Para o meu ser de mansinho
Chegar-te



Tu reconheceu meu rosto
Num disse me disse
No começo de frases mal ditas
Palavras curtas de medo
E olhares
Ah, os olhares...
Tu reconheceu!



Deixe um comentário